Blog do Cyrillo

Governo Bolsonaro arrecadou R$ 227 bilhões com venda de estatais e ações

 

Foto: Sergio Lima/Poder 360


O governo de Jair Bolsonaro conseguiu arrecadar R$ 227 bilhões com privatizações que não dependem da aprovação do Congresso. A equipe do presidente atingiu a marca com a venda de subsidiárias de estatais e de ações detidas pela União e suas empresas.

Foram levantados R$ 110,1 bilhões em 2019, no primeiro ano de gestão. Mais R$ 59,6 bilhões em 2020 e outros R$ 57,6 bilhões neste ano, apontam dados obtidos pelo Poder360.

O recurso arrecadado com essas privatizações é utilizado para reduzir a dívida pública, atualmente em R$ 5,5 trilhões.

A maior desestatização veio da venda da TAG: R$ 33,5 bilhões. A subsidiária da petrolífera atua no segmento de transporte e armazenagem de gás natural.

Além da venda direta de subsidiárias, outra estratégia da equipe econômica foi se desfazer de ações detidas pelo Banco do Brasil, pelo BNDESPar e pela CaixaPar –esta última será fechada em breve depois da alienação de todos os ativos.

A União se desfez de R$ 31,5 bilhões de ações da Petrobras detida por esses bancos. Foi a 2ª maior operação do governo. Em seguida, vem a venda de ações da mineradora Vale.

A 4ª maior operação foi a venda da subsidiária BR Distribuidora, que atua no segmento de distribuição e comercialização de combustíveis.

Estes foram 10 maiores valores arrecadados:


O número é celebrado pela equipe econômica do governo, inclusive pelo próprio ministro Paulo Guedes.

A cifra de R$ 227 bilhões é longe do R$ 1 trilhão prometido pelo ministro na campanha de 2018. Mas o time de Bolsonaro conseguiu tornar o Estado um pouco menor no Brasil, uns dos seus objetivos.

Essas privatizações foram feitas sem a anuência do Congresso. São mais fáceis. Mas foi preciso vontade política para consegui-las. Só a venda da TAG representa mais que o dobro do que o governo espera arrecadar com a desestatização dos Correios –que está travada no Senado, tem grande interesse político e seria mais “sentida” pela população.

Outra privatização que está parada é a da Eletrobras. O governo comemorou muito a aprovação do projeto na Câmara e no Senado. Porém, o processo que abre caminho para a capitalização da empresa (entrada de recursos de investidores externos) está parado no Tribunal de Contas da União. Há risco de ficar travado até o fim do próximo ano, para depois da eleição.

Em conversa com jornalistas, em balanço do fim de ano, Paulo Guedes relatou indignação que o programa liberal do governo esbarre em obstáculos de outros Poderes para vender empresas estatais.

“O presidente se comprometeu com programa de privatização. Na hora que vai privatizar, outros Poderes impedem a privatização? Isso cria precedente desagradável”, afirmou Guedes na época.

Por outro lado, o governo vem conseguindo avançar com os desinvestimentos em outras áreas.

Poder 360

Cyrillo

Blogueiro político em busca de divulgar as verdades escondidas nos atos dos atores políticos.

Postar um comentário

Please Select Embedded Mode To Show The Comment System.*

Postagem Anterior Próxima Postagem